domingo, 20 de setembro de 2009

A Sós com os Outros


Não te creias a sós, embrulhando os sonhos que acalentavas nos pesados tecidos da revolta.

Há tantos solitários que não se resolvem a arrebentar as amarras
do egoísmo para serem úteis a alguém!...

Sê tudo quem consiga esse fanal.

O lago plácido e sonhador, que reflete o céu de astros pulverizado
qual espelho precioso desfaz-se ante o batráquio que nele se arremessa,
apagando a ilusão da beleza.

Desejarias felicidade contemplativa cercado de carinhos, inútil,
refletindo sonhos impossíveis.

No entanto, enquanto te crês solitário e triste, frustrado nos anseios que
acalentavas, perdes os olhos nas tintas carregadas do pessimismo e não
vês aqueles olhos que te fitam inquietos, desejando acercar-se de ti,
sem oportunidade de fazê-lo.

A semente, que se sente desventurada numa arca de mogno e bronze valiosos,
desdobra-se em bênçãos para muitos quando acolhida pelo solo que lhe
oferece destino.

A água morta entre sombras alimenta a vida se vai depurada.

O monturo desprezível enriquece-se de perfume quando agasalho os bulbos do lírio.

O coração ao teu lado, na vida diária, é a sublime meta da tua oportunidade no corpo.

Mata a solidão, asfixiando-a nos tecidos leves da cordialidade para com os outros.

Não creias que haja um abismo entre ti e os outros.

Se o vês ou o sentes, lança a ponte da afabilidade e atapeta-a da doçura.
Escorregarão muitos seres imersos no personalismo atormentado das vacuidades
da Terra, que se aconchegarão ao país da tua alma, sedentos, necessitados e
amigos teus, dando carinho também.

Compreenderás que o receber é efeito do dar, tanto quanto o colher é o resultado do plantar.

A lagarta que teme a metamorfose jamais plainará como borboleta leve, no azul do ar.

A flor que receia o desgaste nunca atingirá a semente que a perpetua.

O amor que se enclausura não amadurecerá em dádivas renovadoras.

Aparecendo à pecadora de Magdala, após a Ressurreição, o Mestre premiou o
esforço de quem tanto deu à causa da Mensagem Viva da Fé, a ponto de,
vencendo-se a si mesma, oferecer-se entre tormentos íntimos de paixões sem
nome que sublimou, para renascer dos escombros qual Circe de luz... E Maria
o mereceu, pois que, esquecida do próprio eu, cindiu a casca da
autopiedade e da falsa solidão a que muitos a si se impõe, para atirar-se
à glória do serviço ao próximo sem fronteira nem limite por amor a Ele.


Pelo Espírito de: Joanna de Ângelis
Psicografia de: Divaldo Franco
Livro: Dimensões da Verdade

Site: Luz do Espiritismo - Grupo Espírita Allan Kardec

Nenhum comentário: