terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Comportamento


Exterioriza-se o mundo mental - suas aspirações, conflitos, necessidades - no comportamento do indivíduo, definindo-lhe a estrutura moral e o nível de discernimento de consciência.
Quando ele estagia nas faixas mais primárias da evolução, suas paixões se apresentam brutais, imediatistas desenvolvendo reações agressivas, manifestações egoísticas e perturbadoras para o grupo social, no qual se encontra situado.
À medida que a educação e a experiência - sofrimentos inesperados, lutas para a aquisição do equilíbrio, constatação da própria fragilidade - trabalham-no, altera-se-lhe o programa de anelos, adaptando-se melhor ao segmento da sociedade em que se movimenta, desenvolvendo as aptidões latentes que o impelem para o ideal de beleza, de crescimento íntimo, de auto-realização.
No comportamento se manifestam a sua realidade intelecto-moral e o seu correspondente nível de saúde, física e mental.
Ninguém consegue identificar-se com a iluminação, não estando disposto ao esforço por educar-se, comportando-se com equilíbrio diante das circunstâncias que defronta no processo social, assim como nos fenômenos e ocorrências pessoais.
Na complexidade de tais realizações a interação mente-corpo, espírito-matéria é inalienável.
O corpo reflete os comportamentos mentais, somatizando os conflitos, que lhe perturbam a harmonia, quando as construções psíquicas se irradiam carregadas de pessimismo, de vibrações inferiores e tóxicas...
Os tecidos celulares reagem conforme as ondas mentais que os visitam, agredindo-os ou conciliando-os.
Desse modo, as idéias superiores sustentadas pela mente produzem correspondentes efeitos no corpo, estimulando as células à manutenção da ordem, vitalizando-as para o processo da mitose saudável.
Além do departamento muito complexo da organização física e psíquica, o cérebro é uma valiosa glândula que secreta substâncias essenciais à manutenção dos equipamentos que constituem o corpo, mantendo-o ou desorganizando-o.
Graças às endorfinas que produz, muitas dores são atenuadas, propiciando a manutenção do nível do bem-estar no indivíduo.
Diversas enzimas outras são produzidas, desenvolvidas e distribuídas pelos numerosos equipamentos orgânicos, cooperando para sua conservação e renovação ou desconcerto e enarmonia.
As pessoas irascíveis, realistas-fatalistas, que conduzem azedumes e pessimismo, assinaladas pelas constantes mudanças de humor, produzem as enzimas perniciosas, que irão abrir campo para a invasão orgânica pelos elementos microbianos destrutivos.
Ao inverso, aquelas que elaboram pensamentos otimistas, confiantes, alegres, solidários, estimulam o sistema psiconeuroimunológico, tornando-se resistente às viroses e baciloses degenerativas. E mesmo quando são vitimadas por enfermidades dessa procedência, recompõem as defesas orgânicas e restauram a saúde.
O espírito conduz o corpo através de vibrações delicadas que sustentam as células, mantendo-as em ritmo harmônico ou desgastante conforme as ondas mentais que irradia.
Para que o comportamento alcance o ponto ideal, que faculta resultados felizes, é indispensável o cultivo dos pensamentos edificantes, propiciadores da disciplina interior, através da qual se exteriorizam em hábitos equilibrados, fomentadores de saúde, de alegria de viver.
Nesse sentido, as insubstituíveis lições de Jesus - Cristo constitui diretrizes de segurança, que devem ser insculpidas na mente, deixando-as irradiar-se em sucessivas ondas de amor, que vitalizam o homem e a mulher, espraiando-se em direção do seu próximo, em forma de transação psicológica de alto nível, tornando-se o comportamento ideal que os promoverá à condição de pessoas realmente felizes.
O comportamento, dessa forma, define a pessoa que, vigilante e lúcida, deve trabalhar-se sem cessar até alcançar a realização interior em perfeita identificação com as demais criaturas.

Pelo Espírito de: Joanna de Ângelis
Página Psicografada pelo Médium: Divaldo P. Franco
No dia 13/03/95 no Centro Espírita Caminho da Redenção - Salvador - BA

Site: Luz do Espiritismo - Grupo Espírita Allan Kardec

Nenhum comentário: