domingo, 11 de abril de 2010

Homens Fora do Corpo


Conforme dissemos, os espíritos nada mais são que homens fora do corpo. Por incrível que pareça, não lhes basta à condição de desencarnados para que se liberem dos seus equívocos.

Os espíritos que entram em contato com os médiuns, em sua grande maioria, carecem de maiores esclarecimentos; muitos deles, mesmo depois da morte, continuam sustentando os seus pontos de vista...

As dimensões espirituais nas quais ainda nos movimentamos guardam grande similitude com os caminhos humanos ninguém encontra, de improviso, a região paradisíaca mencionada pelas religiões tradicionalistas. Aqui, onde presentemente estagiamos, existem, inclusive, os que questionam os Evangelhos, os que se opõem à idéia da reencarnação, os que não aceitam a tese do intercâmbio com os encarnados...

Médiuns sem uma formação doutrinária ideal, com base em Jesus e Kardec, correm o risco de se transformarem em intérpretes de grupos de espíritos que julgam ter a primazia da Verdade. Assim é que, no movimento espírita, encontramos correntes de espíritos que defendem a tese do corpo fluídico de Jesus concepção filosófica que começou no seio da própria igreja Católica desde os primórdios ou, ainda, a opinião controvertida de Ramatis, espírito orientalista, que tem conseguido fazer seguidores desavisados.

Enganam-se os que pensam que todos os medianeiros sejam espíritas; o mundo está repleto de sensitivos falsos Cristos e falsos profetas interpretando mensagens de grupos de Espíritos para a Terra espíritos que ainda se vinculam à igreja, espíritos apegados aos rigorismos das letras evangélicas, espíritos que, no corpo e fora dele, tentam influenciar o movimento espírita no Brasil, como, por exemplo, os adeptos de certos gurus indianos que se afirmam a reencarnação de Deus!...

Os médiuns e companheiros espíritas, embora respeitosamente, não devem ter receio de questionar os espíritos, que se pronunciam junto aos homens de acordo com as luzes que hajam alcançado. Muitos deles, é bom que se diga, tateiam, depois da morte, nas sombras em que se movimentam...

A codificação Espírita não foi concebida por um único cérebro, nem é fruto dos ditados póstumos de um único espírito. A universalidade do ensino dos Espíritos, com base no Evangelho do Cristo, em que se alicerça toda a civilização cristã, é que lhe garante autenticidade.

O que se afaste da Obra Kardequiana não é espírita: poderá ser Espiritualismo, mas não Espiritismo!

Allan Kardec, sem dúvida, não teve a pretensão da última palavra, mas o que vier depois dele, para obter o aval da Doutrina, necessita de lhe guardar fidelidade aos princípios básicos.

Dentro em breve, a mediunidade, como faculdade inerente a todos os homens, se geralizará, como, aliás, já vem acontecendo teremos médiuns católicos, médiuns pentecostais, médiuns messiânicos, médiuns budistas, médiuns livres pensadores... Não nos espantemos. No Além, existem espíritos para toda a natureza de médiuns. A luta maior da Doutrina não será, pois, em defesa da tese da sobrevivência, mas, sim, para preservar as lições do Senhor que, infelizmente, vêm encontrando certa resistência por parte, inclusive, de alguns confrades espíritas.

Espírito: Odilon Fernandes.

Médium: Carlos A Baccelli.

Livro: Conversando com os Médiuns.

Site: Luz do Espiritismo - Grupo Espirita Allan Kardec

Nenhum comentário: