sexta-feira, 12 de abril de 2013

Espiritualidade–Ódio e Amor

Depois da morte, o que tem mais força, o ódio ou o amor?

O amor é o sentimento maior, mais poderoso, em qualquer dimensão. De origem divina, está em germe em todos nós e nossa missão é desenvolvê-lo em sua plenitude. Por mais ignorante ou cruel que possa ser um homem, possui ele a essência do amor em seu coração, aguardando o inevitável desabrochar. Aprender a amar, pois, é a razão da nossa vida.

O ódio é a revolta daqueles que ainda não conseguem amar. Como a sombra, que é simplesmente a ausência da luz, o ódio é a ausência do amor. Sua origem é puramente humana, fruto do orgulho e do egoísmo, próprios da animalidade que ainda nos domina. Não tem o ódio bases sólidas verdadeiras. É como a construção de um prédio na areia: à medida que se levanta o próprio peso acarreta a sua queda. Carrega, ele, em si mesmo, a espoleta auto-destrutiva.

No mundo físico, o ódio parece ter mais força, porque é violento, agressivo, destruidor. O amor, conduto, é mais resistente; consegue suportar os golpes do ódio, conservando-se intacto. Enquanto a eliminação do ódio implica em perda de energia para seu agente, na defesa passiva o amor mais se engrandece. Jesus entregou-se pacificamente aos seus algozes , e o seu amor envolveu a humanidade e perdura no tempo. Gandhi pregou obstinadamente a não violência, e o seu amor converteu-se em libertação e paz para os indianos e exemplo para todos nós.

O ódio é apressado e sua ação é imediata, impulsiva, irreflexiva, sem medir as consequências do ato. Um segundo de ódio é capaz de destruir a vida, relacionamentos afetivos ou patrimônios materiais construídos com grande esforço. O amor é paciente; aguarda serenamente que o tempo se encarregue de revelar a verdade, mantendo-se confiante em Deus.

Obviamente que tudo isso não pode ser considerado nos restritos limites do presente e da vida material, mas tendo-se em conta que somos espíritos imortais.

Ódio e amor são sentimentos da alma. Portanto, acompanham-nos no além túmulo, pois na espiritualidade continuaremos a manter a nossa individualidade. Ao contato com a nova realidade (a espiritual), muitos espíritos conseguem avaliar infantilidade dos sentimentos mesquinhos que nutriam aqui na Terra, e se transformam. Outros, porém, notadamente quando deixaram a vida vitimados por desafetos, mais exarcebam o seu ódio e a sua revolta, passando a fazer a infelicidade alheia.

A ação desses espíritos inferiores é exercida apenas contra outros de igual natureza e de menor inteligência; ou contra almas de consciência culpada, por isso enfraquecidas. Não conseguem, porém, se impor aos que amam verdadeiramente, àqueles que mantêm em seus corações a fé em Deus e dedicam-se ao amor ao próximo e à conquista da sabedoria.

Lá como aqui, as armas mais eficazes contra o ódio são a prece e o perdão. Ambos são luzes que iluminam a nossa alma, e não há sombra, por mais intensa que seja, capaz de resistir ao menor ponto de luz. O verdadeiro amor, porém, não se contenta em resistir ao mal, mas empreende todos os esforços para convertê-lo ao bem, pois, como disse o Apóstolo Paulo “quem faz o mal é porque não tem visto a Deus”.

Autor: Donizete Pinheiro

Livro: Respostas Espíritas – Edições Sonia Maria – 1ª Edição – Capítulo: 14 – São Paulo – 1997

Nenhum comentário: