segunda-feira, 12 de agosto de 2013

No Serviço do Bem

Ninguém alcança felicidade sem o trabalho de realizar a felicidade do próximo.

O trabalho pode acumular todos os benefícios e facilidades imagináveis, porém, se não auxiliar o seu semelhante, não terá paz.

O apóstolo Paulo compreendeu muito bem que o serviço no bem em favor do próximo é a base para a felicidade do homem, por isso asseverou que podemos tudo possuir e tudo saber, porém, se não existir caridade, nada somos.

Allan Kardec, o insigne codificador da Doutrina Espírita, aponta o devotamento ao próximo como recurso indispensável para a felicidade do homem, afirmando: “Fora da caridade não há salvação”.

Cumpre-nos observar que, se a caridade é fator indispensável para a felicidade humana, ela está, porém, ao alcance de todos.

Podem realizá-la tanto o rico quanto o pobre, o sábio e o ignorante, a criança e o idoso.

Desse modo, a senectude não é impedimento para o serviço de auxílio ao próximo e o idoso deve esforçar-se por empreendê-lo.

Jamais deve crer-se impossibilitado de ser útil às pessoas, porque qualquer criatura, em qualquer condição, sempre tem algo de si a oferecer.

Não desvalorizará a si mesmo dizendo: - “Quem sou eu para ajudar?... O que tenho para oferecer?...”

Lembre-se de que é filho de Deus, que pode e deve auxiliar os semelhantes e que possui um grande tesouro a ofertar: a experiência.

Conta-se que João, o evangelista, em idade bastante avançada, apesar das inúmeras dificuldades e limitações, jamais deixou de atender aos irmãos necessitados. Quando já bastante debilitado, não se entregou à inércia, ofertando aos que buscavam as palavras de bom ânimo e esperança.

Assim, não afirme: - “Estou velho”. Guarde jovialidade e recorde que apenas o corpo físico está desgastado pelo tempo, porém o espírito é jovem.

Atenda, pois, ao dever da fraternidade.

Oferte um sorriso à criança.

Oriente o jovem.

Visite um enfermo.

Espalhe alegrias em benefício de todos.

Cultive esperança.

Confeccione um agasalho ou um singelo brinquedo para uma criança carente.

Colabore em uma entidade assistencial.

Seja útil.

Recordemos o pensamento do Amigo de Assis: “...é dando que se recebe”. E quem dá do pouco que possui sempre recebe do muito que a Providência Divina tem a oferecer.

Pelo Espírito: Antônio Carlos Tonini

Psicografado por: Luís Antônio Ferraz

Livro: No Entardecer da Existência –Editora DIDIER

(Casa Editora Espírita “Pierre-Paul Didier”) – 2ª Edição – Agosto/2004 – Páginas: 87 a 89 - Votuporanga – São Paulo / 1995.

Nenhum comentário: