terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Criaturas ou Filhos de Deus

A todos que o receberam, aos que crêem em seu nome, deu ele o direito de se tornarem filhos de Deus: os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus”. (Evangelho)

A qualidade de filho pressupõe a de herdeiros. Os filhos herdam dos pais; herdam em todo sentido: – material e moral. Do físico, herdam traços fisionômicos que recordam a paternidade. Do moral – pela convivência; pelo exemplo e pela educação – herdam predicados e virtudes.

É por isso que certas crianças, logo à primeira vista, despertam na imaginação de quem as vê a lembrança dos seus pais. Nem sempre, convém notar, essa recordação é sugerida pelo plástico da criança, mas, particularmente, pela aura que a envolve. Essa aura, às vezes, acha-se tão em harmonia com o astral ascendente que a figura do pai como que aparece, numa cambiante, fundindo-se na figura do filho.

Segundo a palavra evangélica, o homem torna-se filho de Deus somente depois que aceita e põe em prática a moral divina revelada por Jesus Cristo. Antes disso, é criatura de Deus, ou seja, filho presuntivo, apenas.

De fato, como ser filho sem ser herdeiro? Onde a herança paterna que testifique a filiação?

Deus é espírito, e em espírito e verdade deve ser procurado. Como pode, portanto, o homem ser filho de Deus sem que reflita a imagem espiritual do Pai? Como pode ser filho de Deus se ainda não herdou os predicados e atributos que exornam o caráter da Divindade? Como há de ser filho de Deus se não se vê Deus através da aura que o envolve?

Como há de o homem ser filho de Deus – que é puro espírito – se ele é todo animalidade, nada deixando transparecer de espiritual?

Em verdade, como acertadamente ensina o Evangelho, o homem só se tornará filho de Deus quando se decidir a acompanhar as pegadas de Jesus, quando se identificar com o Cristo, o Unigênito do Pai neste planeta.

Livro: Nas Pegadas do Mestre
Autor: Vinicius (pseudônimo) – Pedro de Camargo
8ª Edição em 1992 – Editora Federação Espírita Brasileira (FEB) –
Páginas: 298 e 299 – Brasília-DF – 1933

Nenhum comentário: