sexta-feira, 4 de abril de 2014

A Igreja Viva


Onde se encontrarem dois ou três reunidos em meu nome, aí estarei eu no meio deles.”
Eis como Jesus descreveu a sua igreja, na divina simplicidade que a caracteriza.
É universal, por isso que está onde quer que se reúnam dois ou três corações fiéis, invocando-lhe o nome.
Não tem chefe na Terra, visto como esse chefe é Jesus mesmo, cuja presença é implorada do Céu.
É igreja viva, porquanto resulta da comunhão espiritual dos crentes irmanados na mesma fé.
Independe de templos de pedra, feitura de mãos humanas, porque tem no Universo o seu eterno e majestoso tabernáculo.
O seu objetivo não é o domínio do mundo.
O seu reino não é deste plano. Por isso, não pretende posições de relevo ou destaque na sociedade terrena. Sua finalidade é tornar o homem livre, por meio da iluminação interior. “Onde há, pois, o Espírito do Cristo, aí há liberdade.”
A força da igreja cristã se exerce no recôndito das almas. Sua influência reformadora verifica-se no indivíduo. Age no recesso dos corações, purificando os sentimentos e plasmando os caracteres.
Seu culto é interno, de natureza toda espiritual. Nada tem de comum com o exibicionismo e as exterioridades gentílicas. Sua obra é silenciosa e construtiva; não explode em ruidosas manifestações. Remodela, transforma e aperfeiçoa o Espírito.
Ninguém poderá dizer sobre a Igreja de Jesus: “Ei-la acolá! Vêde a sua pompa e o seu fastígio”, por isso que os esplendores de sua luz estão no interior do homem, cuja razão ela ilumina e cuja consciência santifica.
Tais são os característicos inconfundíveis da Igreja Cristã, revelados hoje pelos “Espíritos do Senhor, que são as virtudes do Céu.”
Quem tiver olhos de ver, veja.
Autor (a): Pedro de Camargo – Pseudônimo de Vinícius
Livro: Na Seara do Mestre – Editora: FEB (Federação Espírita Brasileira) – Páginas: 168 até 169 - 5ª Edição de 1985 – Rio de Janeiro/1951.













Nenhum comentário: