domingo, 8 de junho de 2014

Fenômenos Inexoráveis

 
Vês definhar o ser querido, que a enfermidade implacável consome.
Preocupas-te e disfarças a tua agonia, ante o inexorável acontecimento.
Anotas o nome de pessoa querida que a desencarnação violenta arrebatou, e tens o coração dorido.
Oras, em silêncio, sem que ninguém saiba o que experimentas em forma de melancolia.


Recebes informação sobre acontecimentos rudes, afetando corações afetuosos que são convidados a dores extenuantes.
Padeces choque emocional, constatando a tua carência de recursos diante de tão graves provações.
Chega-te o apelo angustiado de amigos queridos, que despertam na soledade ante as infaustas partidas daqueles a quem amam.
Constatas a precariedade da existência física e sofres calado, embora sorrindo.
Defrontas os companheiros da juventude, agora deformados, combalidos, sem rumo.
Nublam-se-te os olhos com lágrimas que não deixas cair, a fim de que ninguém perceba a tua compunção.
Multiplicam-se, em toda parte, as enfermidades mutiladoras, debilitantes, perturbadoras, que acometem os seres vivos e dilaceram as criaturas humanas, deixando vazios terríveis nos corações.
Não te desalentes, porém.
A desencarnação é etapa final do fenômeno biológico, e ninguém se eximirá de experimentá-la.
Não te entristeças ante os infortúnios e padecimentos daqueles a quem amas.
Canta, aos ouvidos desses que padecem, a canção da imortalidade, acenando-lhes com a esperança de libertação próxima que virá.
Dize-lhes que a existência corporal é veste que dura um dia, e a dor é fenômeno de desgaste que descerra a luz guardada no íntimo.
Felizes os que sabem sofrer.
Bem-aventurados aqueles que expungem na Terra.
Se a estância é breve na matéria, o estágio libertador é longo e abençoado.
Anima os que se dilaceram nas enfermidades consumidoras, irradiando-lhes as alegrias com que se inundarão de coragem para sublimar-se.
Reflexiona com eles sobre a realidade da existência humana e o que a todos aguarda após a morte.
Nenhuma dor que permaneça sem termo.
A morte é, portanto, dádiva de Deus, para interromper os ciclos afligentes.
Raciocina, examinando a vida sob o ponto de vista espiritual, e tudo se modificará.
Sentir-te-ás feliz, então, vendo os amigos em processo de libertação, antegozando as alegrias que os esperam, por tua vez, a ti também aguardando.
Jesus, sadio e puro, ensinando o e confirmando a imortalidade, aceitou espontaneamente, a traição de um amigo, a negação de outro, o abandono de quase todos, e, sofrendo, sem desanimar, permaneceu tranquilo, tal a Sua certeza, que nos legou, do triunfo da vida além da morte e da noite humana.
Assim, reflexiona e deixa-te dominar pela fé na imortalidade, verificando que, nesta condição, tudo se altera e passa a ter nova e ditosa configuração.
FRANCO, Divaldo Pereira. Momentos de Felicidade. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 2.
Publicado pelo site:  http://ceacs.wordpress.com ( Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense) – 03/06/2014

Nenhum comentário: